O melhor remédio contra o “Escola sem Partido” é colocar a direita para correr, por Henrique Áreas